Gênesis 2.24,25

Pare um pouco e pense bem sobre essas palavras, nós temos resumidamente quatro pilares que são o alicerce de um casamento feliz. Cada um desses pilares é necessário para que haja harmonia e felicidade no lar.

1) “Por isso deixa o homem pai a mãe”

Aí está o primeiro pilar. Para que o novo relacionamento floresça, há necessidade de um deixar emocional por parte dos recém-casados. É fundamental que tanto o homem como a mulher cortem o cordão umbilical, rompam os laços de dependência emocional dos seus pais. Este “deixar” é tão importante que Deus o menciona antes de falar sobre união matrimonial. Isto não quer dizer que os recém casados devem abandonar ou deixar de respeitar e honrar aos seus pais, mas significa que eles precisam dar um outro enfoque a vida, tendo o cuidado de suprir as necessidades um do outro.

Três deixar:

* Emocional (não deixar de amar, mas no sentido de não ir por qualquer razão reclamar para os pais)

* Financeiro

* Geograficamente (cada um debaixo do seu próprio teto)

2) “Se une a sua mulher”

A palavra une significa cimentar e indica a natureza permanente do casamento. As duas pessoas estão colocadas uma a outra. Por isso, qualquer tipo de separação é muito dolorosa.

No plano original de Deus, o casamento era uma instituição permanente, “até que a morte os separe”; não até que a sogra os separe, não até que o amante os separe, nem até que a profissão os separe, nem mesmo até que a discórdia os separe; mas até a morte.

Este se une é um processo crescente. Pensando no use do verbo “unir” no versículo 24, deixe-me lembrá-lo de que seu significado é “cimentar”. Se você tentar separar duas folhas de papel colocadas uma a outra, as duas se rasgarão.

3) “Tornando-se os dois uma só carne”

Casamento significa unidade, no sentido mais completo da palavra – espiritual, mental e física. É um processo que acontece durante toda a vida do casal. Esta unidade não pode acontecer da noite para o dia, por isso leva uma vida toda (temos bases diferentes, sentimentos, interesses, hábitos, dons e habilidades). Tornar-se os dois uma só carne refere-se a experiência sexual. Nós nos casamos no cartório para cumprir a lei. Casamos na igreja perante o povo para invocar as bênçãos de Deus a dar testemunho público dos votos feitos. Casamos na cama através do ato conjugal. Aí dá-se a consumação do casamento. Essa experiência é reservada somente para duas pessoas que deixaram e se uniram. Qualquer outra experiência de intimidade física é uma tragédia com resultados catastróficos. A Bíblia define claramente o homem que comete adultério. Vejamos as palavras do grande sábio em Provérbios 6.32: – O que adultera com uma mulher esta fora de si, só mesmo quem quer arruinar-se é que pratica tal coisa.

Embora o relacionamento “uma só carne” seja basicamente física, as implicações espirituais, mentais e emocionais são muitas. A Bíblia descreve esse ato em Gênesis 4.1 da seguinte maneira: – E conheceu Adão a Eva, sua mulher, e ela concebeu …. A palavra “conheceu” é a palavra que o Espírito Santo escolheu para descrever essa santa união entre o homem e a sua mulher. O conhecer no ato sexual não é somente físico, mas também emocional, mental e espiritual. Sim podemos dizer que este ato é um ato espiritual.

4) “Intimidade”

Somente depois que o homem e a mulher “deixam” seus pais e assumem o compromisso de se unirem tornando-se uma só carne, é que vem a intimidade. Este é o quarto pilar do casamento. Ele está expresso nas palavras, ora, um e outro, o homem e sua mulher, estavam nus, e não se envergonhavam. Na lista das prioridades de Deus a intimidade está em último lugar porque antes dela o casal deve deixar, unir-se e tornar-se. Esta ordem é importante e não pode ser mudada. A nudez de Adão e Eva não era simbólica, mas real. E não havia nenhuma vergonha ou embaraço entre eles. Nenhuma área estava escondida, nenhum medo, nenhum acanhamento. Havia liberdade física e emocional. É importante notar que esta intimidade era o resultado de um relacionamento sem pecado. Até esta altura, havia uma profunda intimidade e transparência. Esse era o plano de Deus, mas com o pecado essa intimidade acabou. E agora temos egoísmo, insatisfação, raiz de amargura, frustração e mal entendidos. Através do conhecimento bíblico podemos voltar a gozar o nosso relacionamento sexual como Deus planejou.

Se não houver o deixar, o unir-se e o tornar-se, não haverá alicerce para se construir um lar feliz.

O plano original de Deus não pode ser mudado. Os quatro pilares é que seguram a casa e é necessário que haja o compromisso do até que a morte os separe.

Quando o homem interfere na ordem de Deus ele sempre tem problemas. É bem provável que você, meu amado amigo, esteja com sérios problemas em seu casamento. Se este for o caso, tenha uma boa notícia: – nem tudo está perdido, mesmo que o seu alicerce esteja abalado, não se deixe desanimar. O primeiro passo para reconstruí-lo é reconhecer que há problema. Se houver disposição da sua parte, ainda haverá possibilidade de deixar o Senhor edificar a sua casa.

Amor Ágape – amor de Deus

Amor Phileo – amor emocional

Amor Eros – amor sexual

Matemática de Deus: 1 + 1 = 1

Em minha opinião o maior problema que nossos lares estão enfrentando atualmente é falta de compreensão do papel do marido e da esposa no lar. A família é uma “invenção divina”. Deus além de criar o marido e a esposa, estabeleceu princípios e definiu os papéis de cada um, tendo em vista um casamento bem sucedido. O marido que leva Deus a sério pergunta: – “Senhor como eu posso ser o marido que tu queres que eu seja?” Por outro lado a esposa que ama ao Senhor pergunta: -”Senhor como eu posso cumprir o meu papel de esposa de acordo com a tua vontade?” A resposta para ambas as perguntas: Efésios 5.22-29

Pr. Adolfo Sarmento e Esposa